Dirigir em alta velocidade

A alta velocidade propicia um flexionamento excessivo da carcaça, o que provoca um superaquecimento dos pneus, acelerando o desgaste da banda de rodagem. Fazer curvas em velocidade. Essa situação força o arrasto dos pneus e origina um desgaste maior na área do ombro. Freadas ou arrancadas bruscas. Essa situação força o arrasto dos pneus e origina um desgaste maior na área do ombro. Subir ou descer das guias da calçada, em acostamentos ou outros desníveis com severidade (impactos em geral).Esse hábito pode causar cortes e arrancamentos da banda de rodagem e quebras nos cordonéis da carcaça, resultando em separações e até estouros.
Raspar os pneus no meio-fio. O atrito violento ou repetido entre o costado do pneu (que é a área de flexionamento e a mais delgada da estrutura do pneu) e o meio-fio pode provocar separações e arrancamentos nessa área. Não se esqueça de que para um melhor desempenho dos pneus:
Calibre os pneus sempre frios, semanalmente, de acordo com a pressão recomendada pelo fabricante do veículo. Não se esqueça do pneu estepe. Não exceda o limite de peso permitido do veículo. Efetue check-ups periódicos e reparos em lojas especializadas.